Fatores de risco


Risco de infarto aumenta cerca de 10 vezes para quem fuma e usa anticoncepcionais



O uso contínuo de pílulas com estrogênio aumenta o risco de infarto em tabagistas.

Não é segredo que substâncias presentes no cigarro facilitam a formação de placas de gorduras nas paredes dos vasos sanguíneos, comprometendo a circulação e, muitas vezes, resultando em infarto. Para além desses riscos, comum entre todos os fumantes, existe uma combinação extremamente perigosa que deve ser evitada: cigarro e pílula anticoncepcional.

As mulheres que fumam e usam contraceptivos orais apresentam mais risco de sofrerem um infarto do que as mulheres que tomam pílulas, mas não fumam. O risco chega a ser cerca de dez vezes maior. A associação pode ser ainda mais fatal se estiver aliada a fatores como colesterol, sedentarismo, hipertensão arterial e diabetes.

No geral, os anticoncepcionais possuem hormônios como o estrogênio, que pode contrair os vasos sanguíneos e acelerar a formação de coágulos e de placas de gorduras, aumentando as possibilidade de ocorrência de infarto entre essas mulheres. Há opções de anticoncepcionais sem estrogênio, mas a troca precisa ser avaliada por um médico.

Claro que muitas vezes a pílula é necessária, seja para reposição hormonal, seja para tratar doenças como endometriose e síndrome dos ovários policísticos. E parar de fumar, como bem sabem as tabagistas, nunca é uma decisão simples. Mas é preciso ter em mente os malefícios e tentar reduzi-los ao máximo.

Progrida para uma vida mais saudável. É fundamental praticar atividade física para estimular a circulação e manter hábitos alimentares saudáveis, com frutas, verduras e legumes.